Glossário de termos utilizados na logística letra O

Letra O

Este dicionário de termos técnicos logísticos é o resultado de uma ampla pesquisa que utilizou como fontes publicações técnicas em logística e pesquisas diversas em sites voltados para a logística e sites de provedores de serviços logísticos.


O
OBJETIVOS ESTRATÉGICOS – São os resultados esperados ou estados futuros desejados a serem atingidos pela empresa no período plurianual considerado. Os objetivos devem expressar o quanto a empresa quer atingir e em que prazo, considerando-se cenários futuros previstos.
OBSOLESCÊNCIA – Perda de valor ocasionada por novos desenvolvimentos que coloca os equipamentos antigos em desvantagens competitivas.
OBSOLETISMO – Produto ultrapassado devido a tecnologia empregada, desenho defasado, embalagem ultrapassada, substituição por produto inovador e desgaste devido ao uso.
OCUPAÇÃO VOLUMÉTRICA – Característica que mede a relação entre o volume ocupado por mercadorias, e o volume disponível do armazém ou endereço.
OPERAÇÃO – Conjunto de ações relacionadas, capaz de efetuar alguma transformação em elementos fornecidos, ou de dar lugar à criação de alguma coisa subdivisão de uma atividade.
OPERADOR LOGÍSTICO – Empresa especializada em movimentar, armazenar, transportar, processar pedidos e controlar stocks, entre outras coisas. Fornece seus serviços com profissionais treinados. O serviço pode ser no próprio OL ou nas dependências do cliente. Tudo dependerá do acordo firmado.
ORDEM DE FABRICAÇÃO – Autorização para um determinado departamento para fabricar um determinado item ou componente.
ORDEM DE PRODUÇÃO – Conjunto de documentos e tabelas que determina a produção de partes específica do produto em quantidades determinadas.
ORDER-PICK – Carrinhos para deslocamento de materiais de pequeno volume e de roll-containers.
ORGANISMO – Entidade de direito público ou privado, com funções e composição específica.
ORGANIZAÇÃO – Companhia, corporação, firma, empresa ou instituição, ou parte destas, pública ou privada, sociedade anônima, limitada ou com outra forma estatuária que tem funções e estrutura administrativa próprias.
ORGANIZAÇÃO – Conjunto de pessoas e recursos organizados e operando para atingir determinados objetos.
ORGANIZAÇÃO FUNCIONAL – Estrutura administrativa onde o pessoal está agrupado hierarquicamente em departamentos especializados como produção, marketing, engenharia, contabilidade, comercial e finanças.
ORGANIZAÇÃO MATRICIAL – Estrutura administrativa onde o gerente de um projeto divide responsabilidade com um gerente funcional na determinação de prioridades e no direcionamento das atividades das pessoas ligadas a implantação do projeto.
ORGANIZAÇÃO MODAL – Organização modal é um sistema estruturado que cria uma corrente de racionalidade com facilidades padronizadas de movimentação, desde os fornecedores até o destinatário final, o último cliente. A organização modal implica na determinação do módulo da UNIMOV, padronização de corredores e endereços de armazenamento; padronização das dimensões das docas, e racionalização dos veículos de transporte que devem trabalhar com dimensões que propiciem ocupação plena com as UNIMOVS padronizadas.
ORGANIZAR – Estabelecimento de uma estrutura pela disposição das coisas, os meios materiais, as pessoas e estabelecer o funcionamento ou a interação das partes da estrutura, de modo a constituir uma entidade pronta para exercer suas atribuições com vista a um objetivo denominado gerenciar.
OTIMIZAÇÃO – Obtenção da melhor solução possível, para um problema em termos de uma função objetivo específica.
OTM – Operador de transporte multimodal. Qualquer pessoa jurídica, transportador ou não, que celebra um contrato de transporte multimodal e atua como principal, e não como agente, assumindo a responsabilidade pela execução do transporte porta-a-porta frente ao contratante.
OUTBOUND – Fluxos da fábrica para o concessionário.
OUTSOURCING – Processo para que itens e serviços executados internamente sejam transferidos para fornecedores, com a liberação da capacidade interna para outras atividades.
OVERPACK – Embalagem externa.
OVERPANAMAX – Navio com dimensão superior a 295 m de comprimento, 32,25 m de largura total e 13,50 m de calado máximo.
OVERSEAS PACK – Embalagem ultramarina.

Glossário de termos utilizados na logística letra M

Letra M

Este dicionário de termos técnicos logísticos é o resultado de uma ampla pesquisa que utilizou como fontes publicações técnicas em logística e pesquisas diversas em sites voltados para a logística e sites de provedores de serviços logísticos.


M
MAM – Movimentação e armazenamento de materiais.
MANIFESTO DE CARGA – Lista contendo todos os itens de carga expedidos em determinado vôo, embarcação ou veículo. Um manifesto geralmente engloba toda a carga e independe do fato desta ser entregue em um único ou vários destinos. Os manifestos geralmente listam a quantidade de peças, peso, nome e endereço do destinatário.
MANUAL DA QUALIDADE – Documento que declara a política da qualidade e descreve o sistema da qualidade de uma organização.
MANUFATURA REPETITIVA – Produção de unidades discretas em grande volume utilizando rotinas padronizadas. MANUFATURABILIDADE – Avaliação do desenvolvimento do produto ou do processo nas suas capacidades de ser produzido facilmente, de maneira consistente e com alta qualidade facilmente obtida.
MANUFATURADO – Objeto ou artigo industrial, produto de um processo industrial ainda não reconhecido pelo usuário, como útil no atendimento de suas necessidades.
MANUSEIO – Deslocamento de mercadorias executado pelo ser humano. Todo e qualquer movimento do material com as mãos. Ocorre em curtas distâncias, em geral menores que um metro.
MANUTENÇÃO – Atividades que são dirigidas a manter os atuais padrões tecnológicos, administrativos e operacionais da empresa.
MANUTENÇÃO CORRETIVA – Ação corretiva que ocorre quando o equipamento falha e deve ser reparado na emergência e com prioridade.
MANUTENÇÃO CORRETIVA – Aperfeiçoar os equipamentos através da eliminação de avarias e o seu aperfeiçoamento baseado nestas experiências, elevando a vida útil, a confiabilidade, a operacionalidade, a facilidade de manutenção e a segurança na operação.
MANUTENÇÃO PREDITIVA – Manutenção baseada nas técnicas de diagnóstico do estado do equipamento, que determinam as tarefas a serem executadas.
MANUTENÇÃO PREDITIVA – Modalidade de manutenção preventiva baseada em testes não destrutivos e análises estatísticas, utilizado para prever quando uma determinada manutenção deverá ser escalada.
MANUTENÇÃO PREVENTIVA – Atividades de manutenção para evitar as avarias e reduzir o tempo parado e os custos dos reparos.
MANUTENÇÃO PREVENTIVA – Atividades de observações, ajustamentos, trocas, correções e limpeza básica, que possam evitar e antecipar à quebra de equipamentos.
MARCA DO CALADO – Uma marca, soldada em ambos os lados da embarcação, que dá o limite até o qual pode ser carregado, dependendo do peso específico da água em que a embarcação se situa.
MARKET PLACE – Sites em que compradores e fornecedores se comunicam, trocam informações, fazem transações, efetivam concorrências e leilões, coordenam informações estratégicas e administram pedidos.
MATERIAL COM RISCO – Material que pode se tornar perigoso em decorrência de manuseio, transporte ou armazenagem inadequados.
MATERIAL EM CONSIGNAÇÃO – Stock de produtos com um cliente externo que ainda é propriedade do fornecedor. O pagamento por estes produtos só é feito quando eles são utilizados pelo cliente.
MATERIAL EXCEDENTE – Material inaplicável na empresa em qualquer época, independentemente do estado de conservação, funcionalidade ou obsolescência.
MATERIAL INSERVÍVEL – Item que perdeu as condições de utilização para o fim a que se destinava.
MATERIAL IRRECUPERÁVEL – Item que não pode ser utilizado devido a perda de suas características e com recuperação inviável.
MATERIAL OBSOLETO – quando não deve mais ser utilizado na empresa, por ser tecnicamente e economicamente superado, com base na opinião dos técnicos.
MATERIAL OCIOSO – Item não aproveitado e em boas condições de utilização.
MATERIAL RECUPERÁVEL – Quando a recuperação for possível e custar no máximo 30% do valor do novo.
MCS – Manufacturing Control System.
MELHORIA CONTÍNUA – Método para garantir a melhoria contínua do produto e do processo e das tarefas administrativas, dentro da sistemática do ciclo PDCA.
MELHORIA CONTÍNUA – Técnicas que garantem a melhoria contínua sistemática do processo/produto e das operações administrativas através da utilização de metodologias para este fim. PDCA aplicado aos processos nos quais se deseja melhoria.
MERGE IN TRANSIT – Coordenação dos fluxos de componentes, gerenciando o respetivo lead time de produção e transporte, para que estes sejam consolidados em instalações próximas aos mercados consumidores, no momento de sua necessidade, sem implicar em stocks intermediários, exigindo, portanto, uma coordenação muito rigorosa. Consolidação em trânsito.
MES – Manufacturing Execution System.
METAS (I) – O propósito final, aquilo que a organização se propõe, em sua etapa mais avançada.
METAS (II) – Práticas e datas que quantificam a realização de um objetivo.
METAS (III) – São objetivos vinculados a prazos específicos, dentro do período coberto pelo planejamento.
MÉTODO (I) – Caminho para se chegar a um fim. Programa que regula uma série de operações que se devem realizar para se chegar a um resultado determinado
MÉTODO (II) – Maneira de executar um movimento, o menor elemento individualizável de um sistema.
MÉTODO SEGURO – POKA YOKE – Método de conformação e montagem para não se poder completar uma operação se estiver incorreta.
METODOLOGIA – Estudo e desenvolvimento de um método. Se o método já foi desenvolvido a expressão não se aplica. A expressão “Aplicar uma metodologia” deverá se substituído por “Aplicar um método”.
MEZANINO – Uma plataforma apoiada por colunas usada para stock ou operação, construída em um plano superior, o qual permite o movimento de pessoas e equipamentos embaixo.
MILK RUN – Sistema de coleta sistemática de produtos nos fornecedores.
MINI LOAD – Conceito de stock e separação em que o acesso aos materiais é feito automaticamente, conduzindo os contentores de stock para um operador. O mini load ou transelevador pode ser totalmente automatizado utilizando-se um computador dedicado.
MINIDESVALORIZAÇÃO – CRAWLING PEG – Sistema de câmbio no qual a taxa de câmbio é ajustada a cada poucas semanas, refletindo as taxas inflacionarias internas.
MIS – Management Information System.
MISSÃO – Expressão da natureza do negócio da empresa, seu âmbito de atuação, e definição do objetivo principal da sociedade.
MISSÃO DO NEGÓCIO – Define o propósito do planejamento e os limites da operação em termos de mercados, linhas de produtos, áreas geográficas e canis de distribuição.
MIX DE PRODUTOS – Proporção de produtos individuais, que permite realizar a totalidade da produção ou o volume de vendas.
MLI – Momento de Movimentação da Logística Industrial, medido em toneladas metro, da velocidade média dos deslocamentos e comparar com a quantidade e peso dos itens produzidos pela empresa.
MMS – Materials Management System.
MODAIS – São os tipos/meios de transporte existentes. São eles ferroviário (feito por ferrovias), rodoviário (feito por rodovias), hidroviário (feito pela água), Tubular (feito pelos tubos) e aeroviário (feito de forma aérea).
MOVIMENTAÇÃO – Deslocamento de mercadorias utilizando-se UNIMOVS, e sempre realizada com equipamentos.
MOVIMENTAÇÃO ATIVA – Movimentação de todas as mercadorias em direção ao mercado, agregando-se aos artigos industrializados, valor de posição, de quantidade e de tempo.
MOVIMENTAÇÃO PASSIVA – Movimentação de todos os equipamentos, juntamente com as mercadorias que agregam custo às mercadorias, e que não agregam valor ao produto industrial.
MPS – Master production schedule ou Planejamento-Mestre da Produção.
MPT – MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL – Atividade para garantir a efetividade do equipamento durante a sua vida útil.
MRO – Maintenance, repair and operating supplies.
MPS – Master Production Schedule.
MRP – Manufacturing Resource Planning.
MRP – Material Requirements Planning
MRP – MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (I) – Sistema de processamento de dados para o controle das existências, cadastro de produtos, programação da produção dos produtos carga de máquinas, e controle das necessidades líquidas de matérias-primas.
MRP – MATERIAL REQUIREMENT PLANNING (II) – Planejamento das necessidades de material a partir do plano mestre de produção, pela desagregação das fichas de engenharia, multiplicação pelas quantidades a serem produzidas, apurações das necessidades líquidas a comprar, considerando os stocks existentes.
MRP –  “MATERIAL REQUIREMENT PLANNING” (III) – A partir do Plano Mestre de Produção, o MRP explode cada produto em componentes/matérias-primas e planeja o momento de diversas etapas produtivas e/ou compra de matérias-primas para que haja “o material certo na hora certa”.
MRP II – “MANUFACTURING RESOURCE PLANNING” – Planejamento que determina os recursos de pessoal e equipamentos necessários para atingir os objetivos previstos no MRP.
MTO – Make To Order, fabricação conforme pedido.
MTS – Make To Stock, fabricação contra previsão de demanda.
MULTIFUNCIONAIS – (Grupos Multifuncionais) União de pessoas com funções diferentes (Cross-functional) no sentido de integrar áreas e gerar melhorias sistemáticas.
MULTIFUNCIONALIDADE (I) – Capacidade de poder atuar de modo competente em diferentes funções de uma mesma organização.
MULTIFUNCIONALIDADE (II) – Capacidade de um profissional, poder atuar de modo competente, em diferentes atividades da empresa.
MULTIMODAL – Integração de mais de uma modalidade de transporte.
MULTIPACK (I) – Embalagem de transporte contendo embalagens de comercialização mistas para entrega de pedido a um cliente.
MULTIPACK (II) – Junção de várias embalagens de apresentação para formar um conjunto, com o intuito de se realizar uma venda casada de vários produtos iguais.

Glossário de termos utilizados na logística letra N

Letra N

Este dicionário de termos técnicos logísticos é o resultado de uma ampla pesquisa que utilizou como fontes publicações técnicas em logística e pesquisas diversas em sites voltados para a logística e sites de provedores de serviços logísticos.


N
NÃO – CONFORMIDADE (I) – Deficiência de ação, característica ou documento, exigido por projeto ou norma técnica, que torna a qualidade de um serviço ou produto inaceitável, exigindo disposição, ação corretiva e/ou preventiva.
NÃO – CONFORMIDADE (II) – Não atendimento de um requisito especificado.
NÍVEL DE STOCK – Quantidade de materiais que estão realmente à mão no stock disponível para uso.
NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO– Refere-se especificamente à cadeia de atividades que atendem as vendas, geralmente se iniciando na receção do pedido e terminando na entrega do produto ao cliente e, em alguns casos, continuando com serviços ou manutenção do equipamento ou outros tipos de apoio técnico. (definição de Warren Blanding).
NM – Milha Marítima.
– Ponto fixo no sistema logístico de uma empresa em que os produtos ficam em espera; inclui fábricas, armazéns, fontes de abastecimento, etc.
NON MOVING – Materiais encontrados em uma empresa e que não se movimentaram nos últimos dois meses.
NORMA DE RECEBIMENTO – Documento emitido pela engenharia de produto, que acompanha as fichas de engenharia e é utilizada pela engenharia de materiais, como condição contratual de fornecimento e utilizado para exame e conferência dos materiais entregues na empresa.
NR – Número do Fornecedor
NVOCC (NONVESSEL OPERATING COMMON CARRIER) – Operador Marítimo sem embarcação.

Glossário de termos utilizados na logística letra L

Letra L

Este dicionário de termos técnicos logísticos é o resultado de uma ampla pesquisa que utilizou como fontes publicações técnicas em logística e pesquisas diversas em sites voltados para a logística e sites de provedores de serviços logísticos.


L
LABELING – Etiquetagem.
LACRE (SEAL) – Dispositivo usado para contentores e caminhões para provar que eles se mantiveram fechados durante o transporte.
LANE ASSISTANT – Rastreador de pista acoplado ao para-brisa de caminhões que detecta as faixas da estrada e emite um sinal acústico quando o caminhão sai das faixas.
LASTRO – expressão do transporte marítimo, que significa água que é posta nos porões para dar peso e equilíbrio ao navio, quando está sem carga; no transporte ferroviário significa camada de substâncias permeáveis como areia, saibro ou pedra britada, posta no leito das estradas de ferro e sobre a qual repousam os dormentes.
LAYDAY – Tempo de permanência do navio no porto.
LCL – Less Than Carload ou carga inferior a um vagão.
LCL (I) – Less Than Container Load ou carga inferior a um container.
LEAD TIME (I) – É o tempo necessário para o produto completar toda a transformação (da matéria prima ao produto acabado, através das diferentes fases). É utilizado para medir a eficiência do processo produtivo.
LEAD TIME (II) – Tempo decorrido entre a constatação de uma necessidade da emissão de uma ordem e o recebimento dos produtos necessitados e que compreende tempos como: tempo de preparação, tempo de fila, tempo de processamento, tempo de movimentação e transporte e tempo de recebimento e inspeção.
LEAN MANUFACTURING – Produção Enxuta ou manufatura enxuta.
LEAN PRODUCTION (I) – Filosofia de produção que enfatiza a minimização do montante de todos os recursos, incluindo tempo, utilizado nas várias atividades da empresa, eliminando-se as atividades que não geram valor no desenvolvimento, produção, cadeia de abastecimento e serviço ao cliente.
LEAN PRODUCTION (II) – Sistema produtivo que utiliza técnicas TPM, redução do material em processamento, envolvimento dos empregados, relações de parceria com os fornecedores, projetos de produto e de processo integrados, relacionamento próximo com os clientes. É o sistema produtivo utilizado na Toyota japonesa.
LEAN PRODUCTION (III) – Sistema produtivo que utiliza TPM, redução do material em processo, motivação, parceria, integração de projetos, relacionamento próximo com os clientes.
LEARNING ORGANIZATION – É aquela capaz de desenvolver capabilidade para aprender, onde as pessoas aprendem a criar sua própria realidade e a mudá-la, integrando como agentes de gestão, as pessoas com o perfil empreendedor.
LEIAUTE ou LAY-OUT (I) – Arranjo físico dos recursos ou centros econômico de atividades, como máquinas, grupos de pessoas, estações de trabalho, áreas de armazenamento e ilhas de descanso.
LEIAUTE ou LAY-OUT (II) – Etapa em que se esboça a arte final
LEIAUTE POR PROCESSO – Arranjo sequencial dos recursos, conforme as necessidades de determinado produto.
LEILÃO REVERSO ON LINE – Consiste em marcar com os fornecedores, um horário em determinado endereço na Internet, para que os mesmos façam lances para fornecerem produtos previamente informados pelo requisitante.
Quem tiver as melhores condições comerciais ganhará o pedido.
LEITURA OMNIDIRECIONAL – Tecnologia que possibilita a leitura do código de barras em qualquer posição, mesmo os de difícil leitura.
LIF – Listas de Identificação de Fornecedores.
LIMITE DE CARGA – Máxima carga permitida para um veículo na estrada, ponte ou aeroporto.
LISTA DE MATERIAIS (I) – Listagem de todos os pré-montados, semiacabados, partes, e matérias primas, mostrando as quantidades requeridas para cada item para a fabricação e montagem de um determinado produto.
LISTA DE MATERIAIS (II) – Lista total de todos os componentes e materiais requeridos para a manufatura do produto.
LISTA DE VERIFICAÇÃO DO PROJETO – Uma lista a prova de erros, para assegura que todos os itens importantes foram considerados no estabelecimento dos requisitos do projeto.
LISTA INICIAL DE MATERIAIS– É uma lista inicial de materiais completada antes da liberação do projeto.
LLP – Leading Logistics Provider ou Principal Fornecedor de Serviços Logísticos.
LOCALIZAÇÃO EM STOCK – Sistema em que todos os locais em um armazém são codificados para facilitar a stock e recuperação do stock.
LOCALIZAÇÃO LOGÍSTICA – É a forma de identificar geograficamente armazéns, depósitos, filiais, veículos, clientes, etc. As formas mais comuns são por coordenadas de latitude-longitude, códigos postais (CEP no Brasil) e coordenadas lineares simples ou malha, que nada mais são do que se colocar um papel vegetal quadriculado sobreposto a um mapa, com numeração das linhas horizontais e verticais.
LOGÍSTICA (I) – A arte e a ciência para abastecer, produzir e distribuir material e produtos no lugar adequado, nas quantidades corretas e nas datas necessárias.
LOGÍSTICA (II) – É o sistema de administrar qualquer tipo de negócio de forma integrada e estratégica, planejando e coordenando todas as atividades, otimizando todos os recursos disponíveis, visando o ganho global no processo no sentido operacional e financeiro. (definição de Marcos Valle Verlangieri, diretor do Guia Log).
LOGÍSTICA (III) – É o processo de planejar, implementar e controlar eficientemente, ao custo correto, o fluxo e armazenagem de matérias-primas e stock durante a produção e produtos acabados, e as informações relativas a estas atividades, desde o ponto de origem até o ponto de consumo, visando atender aos requisitos do cliente. (definição do Council of Logistics Management).
LOGÍSTICA (IV) – Entre os gregos, arte de calcular ou aritmética aplicada. Parte da arte militar relativa ao transporte e suprimento das tropas em operações. Lógica simbólica, cujos princípios são os da lógica formal, e que emprega métodos e símbolos algébricos. (definições do Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa Caldas Aulete).
LOGÍSTICA (V) – do francês Logistique. Parte da arte da guerra que trata do Planejamento e da realização de projeto e desenvolvimento, obtenção, armazenamento, transporte, distribuição, reparação, manutenção e evacuação de material (para fins operativos e administrativos); Recrutamento, incorporação, instrução e adestramento, designação, transporte, bem estar, evacuação, hospitalização e desligamento de pessoal; Aquisição ou construção, reparação, manutenção e operação de instalações e acessórios destinados a ajudar o desempenho de qualquer função militar; Contrato ou prestação de serviços. (in, Ferreira, Aurélio Buarque de Hollanda, Novo Dicionário da Língua Portuguesa, 2ª edição, Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1986, p. 1045).
LOGÍSTICA (VI) – O transporte; armazenamento e abastecimento de tropas; organização de qualquer projeto; operação (definições do American English Dictionary Collins Gem Webster’s).
LOGÍSTICA EMPRESARIAL – Trata-se de todas as atividades de movimentação e armazenagem, que facilitam o fluxo de produtos desde o ponto de aquisição da matéria-prima até o ponto de consumo final, assim como dos fluxos de informação que colocam os produtos em movimento, com o propósito de providenciar níveis de serviço adequados aos clientes a um custo razoável. (definição de Ronald H. Ballou no seu livro “Logística Empresarial”).
LOGÍSTICA DE ABASTECIMENTO– Atividade que administra o transporte de materiais dos fornecedores para a empresa, descarregamento no recebimento, e armazenamento das matérias-primas e componentes. Estruturação da modulação de abastecimento, embalamento de materiais, administração do retorno das embalagens e decisões sobre acordos com fornecedores, para mudanças no sistema de abastecimento da empresa.
LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO – Administração do centro de distribuição, localização de unidades de movimentação nos seus endereços, abastecimento da área de separação de pedidos, controle da expedição, transporte de cargas entre fábricas e centros de distribuição e coordenação dos roteiros de transporte urbano. LOGÍSTICA DE MANUFATURA – Atividade que administra a movimentação para abastecer os postos de conformação e montagem, segundo ordens e cronogramas estabelecidos pela programação da produção. Desova das peças conformadas como semiacabados e componentes, e armazenamento nos almoxarifados de semiacabados. Deslocamento dos produtos acabados no final das linhas de montagem, para os armazéns de produtos acabados.
LOGÍSTICA DE MARKETING – Definimos logística de marketing como todas as atividades e seus inter-relacionamentos para atender pedidos de clientes, de maneira que os satisfaça inteiramente.
LOGÍSTICA INDUSTRIAL – Conjunto de atividades visando racionalizar as atividades industriais pela administração dos fluxos de materiais e produtos.
LOGÍSTICA INTERNACIONAL – Todas as funções e atividades referentes à movimentação de materiais e produtos acabados numa escala global.
LOGÍSTICA REVERSA ou INVERSA– No mercado é considerada como o caminho que a embalagem toma após a entrega dos materiais, no sentido da reciclagem das mesmas. Nunca voltando para a origem. Muitos profissionais também utilizam esta expressão para considerar o caminho inverso feito para a entrega, voltando para a origem, só que agora somente com as embalagens. Neste caso, tratam-se de embalagens reutilizáveis ou retornáveis, que são mais caras e específicas / próprias para acondicionar determinados materiais. Ocorre muito no setor automotivo para o transporte, por exemplo de para-choques, painéis, etc.
LOGÍSTICA REVERSA – O processo de movimentação de produtos de seu típico destino final para um outro local para fins de elevar o valor ora indisponível, ou para a adequada disposição dos produtos. (definição do RLEC – Reverse Logistics Executive Council).
LOTE – Uma quantidade de um item produzida de uma vez e que, portanto, apresente o mesmo custo da produção e mesmas especificações.
LOTE ECONÔMICO – Modelo que fixa quantidades de um item para serem compradas ou produzidas, que minimizem os custos combinados de aquisição/fabricação.
LOTE PILOTO – Ordem preliminar para a produção de uma pequena quantidade inicial, com o objetivo de verificação do produto desenvolvido e da eficiência do processo implantado. LTL – Less Than Truckload ou carga inferior a um caminhão.