Glossário de termos utilizados na logística letra S

Letra S

Este dicionário de termos técnicos logísticos é o resultado de uma ampla pesquisa que utilizou como fontes publicações técnicas em logística e pesquisas diversas em sites voltados para a logística e sites de provedores de serviços logísticos.


S
STOCK DE ACESSO CONTROLADO– Área dentro da fábrica ou do armazém que possui itens sujeitos a furtos, onde devem ser tomadas medidas de segurança como, por exemplo, divisórias ou outros tipos de enclausurados.
STOCK EM LOCAL ALEATÓRIO – Técnica de stock em que os materiais são colocados em qualquer espaço vazio quando chegam ao local de stock.
STOCK EM LOCAL FIXO – Designação de um local relativamente permanente para stock de cada item em um armazém ou instalação com esta finalidade.
STOCK POR ZONA – Mercadorias stock em um armazém, em grandes áreas, em dada localização.
STOCKS – São todos os bens materiais mantidos por uma organização para suprir demanda futura.
STOCK CONSIGNADO – Stocks em posse de clientes, distribuidores, agentes, etc, cuja propriedade continua sendo do fabricante por acordo entre eles.
STOCK DE ANTECIPAÇÃO – Stock formado para nivelar as flutuações previsíveis na demanda, entrega ou produção de um item específico.
STOCK DE CONTINGÊNCIA – Stock mantido para cobrir potenciais situações de falha extraordinária no sistema.
STOCK DE PROTEÇÃO ou HEDGE INVENTORY – É feito quando excecionalmente está previsto um acontecimento que pode colocar em risco o abastecimento normal de stock e gerar uma quebra na produção e/ou vendas. Normalmente são greves, problemas de novas legislações, período de negociação de nova tabela de preços, etc.
STOCK DE SEGURANÇA ou SAFETY STOCK – Quantidade mantida em stock para suprir nas ocasiões em que a demanda é maior do que a esperada e/ou quando a oferta para repor stock ou de matéria-prima para fabricá-la é menor do que a esperada e/ou quando o tempo de reabastecimento é maior que o esperado e/ou quando houver erros de controle de stock que levam o sistema de controle a indicar mais material do que a existência efetiva.
STOCK EM TRÂNSITO – Refere-se ao tempo no qual as mercadorias permanecem nos veículos de transporte durante sua entrega.
STOCK INATIVO – Refere-se a itens que estão obsoletos ou que não tiveram saída nos últimos tempos. Este tempo pode variar, conforme determinação do próprio administrador do stock.
STOCK MÁXIMO – Refere-se à quantidade determinada previamente para que ocorra o acionamento da parada de novos pedidos, por motivos de espaço ou financeiro.
STOCK MÉDIO – Metade do lote médio de compra ou fabricação, adicionado ao stock de segurança.
STOCK MÍNIMO – Refere-se a quantidade determinada previamente para que ocorra o acionamento da solicitação do pedido de compra. Às vezes é confundido com “Stock de Segurança”. Também denominado “Ponto de Reabastecimento”.
STOCK PULMÃO – Refere-se à quantidade determinada previamente e de forma estratégica, que ainda não foi processada. Podem ser de matéria-prima ou de produtos semiacabados.
STOCK REGULADOR – É normalmente utilizado em empresas com várias unidades/filiais, onde uma das unidades tem um stock maior para suprir possíveis faltas em outras unidades.
STOCK SAZONAL – Refere-se à quantidade determinada previamente para se antecipar a uma demanda maior que é prevista de ocorrer no futuro, fazendo com que a produção ou consumo não sejam prejudicados e tenham uma regularidade.
SAC – SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE – Envolve ações de telemarketing, suporte, reclamações, fullfilment.
SALDO DISPONÍVEL – É a quantidade física em stock, já abatendo as quantidades em stock que estão reservadas.
SATISFAÇÃO DO CLIENTE – Resultado da entrega de um produto ou serviço que tenha atendido os requisitos do cliente.
SAZONALIDADE – Um padrão repetitivo cíclico de demanda que apresenta alguns períodos de considerável elevação ou redução, geralmente devido a fatores climáticos, culturais ou convenções humanas.
SCANNER – Aparelho ou sistema eletrônico que converte através de leitura ótica, informações codificadas em numeração alfanumérica ou simbolização em barras.
SCM – Supply Chain Management ou Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento.
SCOR – Supply Chain Operation Model ou Modelo de Referência das Operações na Cadeia de Abastecimento. Foi criado pelo Supply Chain Council (USA) visando padronizar a descrição dos processos na cadeia de abastecimento. SCR – Synchronized Customer Response.
SCRAP – Resíduos.
SEIKETSU (I) – Manter permanentemente a separação, a organização, a limpeza.
SEIKETSU (II) – Significa manter um ambiente asseado, situação obtida pela arrumação, ordenação e limpeza. SEIRI (I) – Separar o necessário do desnecessário e descartar este último.
SEIRI (II) – Significa arrumação e classificação para separar todos os itens necessários dos desnecessários e estabelecer tarefas para desfazer-se deste último.
SEISSO (I) – Limpeza e inspeção para eliminar pequenos defeitos e irregularidades. SEISSO (II) – Significa limpeza ou assegurar um ambiente sem lixo e sem sujeira.
SEIS SIGMA – Sigma é uma letra do alfabeto grego. O termo sigma é usado para designar a quantidade de desvios-padrões sobre a média de qualquer processo ou procedimento. Para os negócios ou processos de manufatura, o valor do sigma é uma métrica que indica quão bem o processo é desempenhado. O sigma mede a capacidade do processo de não gerar defeitos. A escala sigma de medição está perfeitamente correlacionada a algumas características, como: defeito por unidades, peças por milhão defeituosas, e a probabilidade de falha e erro. A capacidade seis sigma significa que não mais do que três, quatro defeitos por milhão de peças.
SEITON (I) – Organizar o necessário e indicar para que todos entendam o objetivo.
SEITON (II) – Significa ordenação dos itens numa certa sequência, visando melhorar a segurança, a qualidade e a eficiência.
SEMI-REBOQUE – Veículo de um ou mais eixos que se apoia na sua unidade tratora, ou é a ela ligada por uma articulação. É o conjunto monolítico formado pela carroceria com um eixo e rodas. É engatado no cavalo mecânico ou trator para o transporte, ou ainda passa a ser utilizado como reboque, quando é engatado em um dolly. É muito utilizado no transporte de cana de açúcar.
SEPARAÇÃO AGRUPADA – Um operador separa do contentor material para diversos pedidos e daí classifica os produtos para cada ordem em uma única viagem na área de separação. Tipicamente utilizado quando os volumes de diversos pedidos podem ser separados numa única viagem.
SEPARAÇÃO AUTOMÁTICA – Reconhecimento eletrônico das embalagens por tamanho ou código, permitindo que estas sejam separadas em grupo.
SEPARAÇÃO DE PEDIDOS – Atividade de desmonte de cargas uniformes com a finalidade de compor uma carga mista de itens de produtos com a finalidade de atender ao pedido de um cliente.
SEPARAÇÃO DISCRETA – Separação de um único pedido por vez. Esta metodologia requer um giro completo pela área de separação de pedidos para cada pedido a ser expedido.
SEPARAÇÃO EM LOTE – Significa separação de cada pedido ou grupos de pedidos de uma única vez. SEPARAÇÃO EM ONDA – Um sistema de separação por pedido que divide cada mudança dentro de um período, ou pedido, durante o qual cada grupo específico de pedidos é separado e carregado.
SEPARAÇÃO POR LUZ – Técnica de separação que utiliza displays para indicar a quantidade de um item por pedido. O operador separa os itens de um pedido em um contentor na quantidade indicada no display.
SEPARAÇÃO POR ZONA – A separação está organizada por zonas com um operador por zona que separa todos os pedidos. Tipicamente utilizado para separação de alta velocidade para um limitado número de itens. É um processo de separação de produtos onde pessoas são designadas para atuar em áreas específicas do armazém. Os pedidos geralmente são separados por diversas pessoas, em diferentes zonas, e acumulados próximos das docas de expedição para um sortimento.
SEPARAR E EMBALAR (PICK-PACK)– Processo de separação e embalagem que consiste em colocar os produtos diretamente na embalagem de expedição.
SERVIÇO – Resultados gerados por atividades na interface fornecedor-cliente, e por atividades internas do fornecedor para atender às necessidades do cliente.
SERVIÇO AO CLIENTE – Habilidades desenvolvidas pela empresa para atender as necessidades, solicitações e pedidos de informação dos clientes.
SET UP – Trabalho necessário para se mudar uma máquina específica, recurso, centro de trabalho e linha de produção, do término da última peça da produção A até a primeira peça da produção B. Tempo compreendido entre a paralisação de produção de uma máquina, a troca do seu ferramental e a volta de sua produção.
SFC – SHOP FLOOR CONTROL – Controle de Chão de Fábrica.
SHELF LIFE – Tempo que um item pode ser mantido em stock, antes de se tornar imprestável para comercialização.
SHELVING RACK – Estante
SHINCAR – Envolver os materiais do palete com um filme plástico protegendo a mercadoria.
SHIP BROKER – Agente Marítimo.
SHIPPING ou EXPEDIÇÃO – Departamento de uma empresa que de posse da Nota Fiscal ou uma Pré-Nota Fiscal identifica, separa, embala, pesa (se necessário) e carrega os materiais nos veículos de transporte.
SHIPPING AREA – Área de Expedição.
SHIPNET – Uma rede para EDI no comércio internacional, específica para contratação de frete para as industrias fornecedoras.
SHITSUKE (I) – Criar o hábito de seguir as regras da empresa e da sociedade e procurar pensar no bem-estar dos outros, como padrão mais importante a ser seguido.
SHITSUKE (II) – Significa trabalhar para a formação moral e ética desenvolvendo hábitos de cumprir corretamente os deveres, como membros de uma sociedade e de uma organização.
SHITSUKE (III) – Capacidade de analisar e interpretar uma situação, colocando-se no lugar do outro com compreensão e respeito.
SIDER – Caminhão com carregamento lateral e com lonas de fechamento.
SIDETRACK ou CAMINHO ALTERNATIVO– É quando se utiliza um percurso diferente do habitual ou previsto, por variados motivos (trânsito ruim, segurança, etc.).
SIL – Sistema de Informações Logísticas, providencia a informação especificamente necessária para subsídio da administração logística em todos os seus níveis hierárquicos. Para a alta administração serve para planejamentos, políticas e decisões estratégicas; para a média gerência serve para planejamentos e decisões táticos; Para a supervisão serve para planejamentos, decisões e controles operacionais; Para o operacional serve para processamentos de transações e resposta a consultas.
SISTEMA DINÂMICO DE STOCK – Este sistema é indicado nos casos de stock e movimentação de materiais com grande rotatividade, dentro do princípio “First in First out” (primeiro que entra, primeiro que sai). O fluxo de paletes é automático, movimentando-se sobre pistas de rolos ou de trilhos de roletes, por ação da gravidade, sem necessidade de empilhadeiras e operadores. O mesmo mantém-se numa velocidade constante, pois são usados, em toda extensão das pistas, Reguladores de Velocidade. A inclinação das pistas é determinada, no projeto, em função das características do palete mais sua carga.
SKU – Stock Keeping Units. Representa a unidade para a qual informações de venda e de gestão de stock são mantidas. Pode ser uma unidade de consumo de um produto ou uma caixa coletiva com diversas unidades do mesmo. Uma caixa coletiva com 20 unidades de um determinado item (sabonete de um dado tamanho e dado perfume, por exemplo) constitui um SKU, enquanto outra caixa com 40 unidades da mesma unidade de consumo representa um outro SKU.
SLA – Service Level Agreement ou Acordo sobre o Nível de Serviço. SLM – Service Level Management ou Gerenciamento do Nível de Serviço. SLM – Strategic Logistics Management ou Gestão Logística Estratégica.
SMART TAG ou E-TAG – Etiqueta inteligente que possui um microchip capaz de armazenar várias informações, como data de validade, lote de fabricação, descrição do produto, etc. Os dados são transmitidos por meio de radiofrequência a um equipamento de leitura.
SLOW MOVING – Materiais encontrados em uma empresa que não se movimentaram nos últimos três meses. SOP – Sales and Operations Planning, Planejamento de Vendas e Operações.
SPC – Statistical Process Control.
STV – Veículo de Transferência Ordenado.
SUPPLY CHAIN – Rede de organizações envolvidas nos diferentes processos e atividades anteriores que produzem valor, sob a forma de produtos e serviços nas mãos do consumidor final.
SWOG (SHIP WITH OTHER GOODS) – Enviado com outros produtos. 

SWOT – ANALYSIS – Strengths, Weakness, Opportunity and Threats Analysis
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.